sábado, 27 de outubro de 2012



“É o jeito, o cheiro, o modo de vestir, como caminha, como olha, como para. Não sei. Eu amo. Ela retribui. Não há outros motivos pra estacionar se não for nesses termos, com esses votos e afirmações diárias. "Te amo, sim. Só que de vez em quando me esqueço", falou ela, numa briga da semana passada. Ela enche a boca pra dizer bom dia, antes mesmo do dia, que pelo visto acordou melancólico, mais uma vez. “  Gabito Nunes. 

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Cause our hearts are locked forever


Não sei lidar.
A vida veio e nos juntou.
Provavelmente não tem outra explicação.
O universo trabalha em função do nosso amor.
Você me pergunta: "Como que tudo aconteceu tão rapidamente? Como que um não vive mais sem o outro?"
-Quer saber? Cala essa boca! Porque eu não sou um poço de respostas.
"E também não é um poço de delicadeza..." você retruca.
E a cada dia que passa as perguntas aumentam.
O que vai ser de nós, menino?
A vida nos pregou uma grandíssima peça.
Não é mesmo?
Fingiu que não era pra ser.
E foi.
"E agora?"
Não clame pela minha calmaria uma hora dessas.
Já te disse.
Não sei lidar.
Uma vez, à muito tempo, você me disse que Deus escreve certo por linhas tortas.
E olha..
É verdade sabia?
Se nossas linhas não fossem tão tortas não seríamos o que somos hoje.
Então linhas, continuem tortas.
E por favor.
Nos revele logo o que tem por trás dessa cortinha tão pesada de amor 

domingo, 7 de outubro de 2012


“No entanto, se existe alguma coisa que me motiva a sempre sair na rua e mandar esses sinais sem destinatário, é o fato de eu acreditar nas coincidências absurdas que se escondem por detrás de todas essas esquinas. De alguma forma, lá no fundo, eu sei que vou tropeçar em ti, mais cedo ou mais tarde. Sei que não vai haver distração capaz de tirar o teu olhar do caminho do meu. Algo vai acontecer, e os nossos sinais vão se coincidir, vamos colidir de forma tão violenta que a nossa vibração vai ser uma só. Vamos ressonar, pra todo mundo ouvir e voltar a acreditar que as “melhores pessoas do mundo”, de fato, existem. Aí eu virei aqui pra contar que o destino realmente existe, e que muitas das nossas melhores histórias são escritas a quatro mãos, de olhos fechados, e sem revisão ortográfica. Quando eu digo que o futuro é agora, quero dizer que o final dessa história depende do começo, da primeira linha, da primeira palavra.”  Lucas Silveira


“Não sei bem o que é, mas há algo presente em cada centímetro do teu sorriso que me dá vontade de chutar a porta que dá pra rua e sair correndo, sem saber onde fica a minha casa. Há algo que me priva de usar todas as artimanhas que eu colecionei, que me faz esquecer todas as minhas frases de efeito e que faz com que tudo que eu faça/diga pareça de uma imbecilidade infantil.
Não sei bem o que é, mas há algo presente em cada palavra que tu me apontas, que sopra em meu ar essas bolhas de sabão. A trajetória dessas pequenas bolsas de ar é tão imprevisível, tão frágil, que eu fico com medo de tocá-las. E são tantas, essas bolhas, que eu não sei atrás de qual delas eu vou correr. Aí eu fico parado, te não-ouvindo, te não-olhando e, sempre, invariavelmente, não sorrindo.
Eu fico sem saber o que fazer.”


 Lucas Silveira