quinta-feira, 21 de abril de 2011

No more.


Eu te esperei, esperei muito, esperei você tomar coragem pra vir ser feliz. E é claro, não funcionou.
Então agora eu desisto, porque como ouvi num filme um dia desses : "Uma vez que uma idéia toma conta do cérebro, é quase impossível erradicá-la." Então vou desistir antes que essa idéia sem cabimento tome conta do meu cérebro e eu não possa mais nem ver você. Eu sempre estive atrás de você, e você nem se quer olhou pra lado pra ver se eu estava bem. Quando finalmente resolver olhar pra trás. Eu não vou mais estar lá. Você vai chorar. E quando olhar pra frente de novo. Vai ver que eu já estou deitada no horizonte, rindo de você.  Hoje, eu desisto de tudo que é relacionado a ti. Desisto mesmo. Lavo minhas mãos. Sofrer por essa insignificância não pertence mais a mim. Deixo esse cargo pra tu, no futuro.
E se achas que estou triste por isso.
Estais se enganando. Estou é mais do que feliz esperando esse futuro tão próximo chegar; estou até guardando minhas risadas.
A gente só sabe que se deixou ir longe demais, quando já estamos longe. Posso dizer, que hoje, eu me livrei de tudo o que me lembrava você.
É sério. Somos impossíveis.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Remember Me





"O que você fizer na vida será insignificante, mas é da maior importância que você o faça porque ninguém mais o fará. Como quando alguém entra na sua vida e metade de você diz que você não está nem um pouco preparado. Mas a outra metade diz: Faça com que ela seja sua para sempre.
Michael, Caroline uma vez me perguntou o que eu diria se eu soubesse que você poderia me ouvir. Agora eu sei: Eu Te Amo.
Nossa, como sinto a sua falta.
E eu te perdoo."

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Caring





Tenho mania de me importar demais. Tudo o que já me fez rir, pra mim, é importante.
Não pense, que eu quero ou goste de ser assim. Eu simplesmente sou. E isso é ruim.
Por mais que eu cuide e me importe, algumas pessoas não ligam. Pra nada, aliás.
Eu queria parar de ser assim mas acho que não conseguir esta na meu sangue.
O meu outro 'eu' me acha um ser deplorável. Por isso eu finjo não me importar.
A verdade é que não paro de pensar no que pode acontecer. Nas conseqüências dos seus atos súbitos.
A verdade mesmo, é que eu me importo com você. (Mesmo não querendo.)